Roteiro “Os primórdios da lírica através de textos”

Isabel Morán, professora titular de Literatura Portuguesa da USC guia-nos  através da leitura da lírica galego-portuguesa dos primeiros trovadores vinculados a Santiago de Compostela, deslocando-nos a vários pontos da cidade emblemáticos nesse sentido e assinalando as singularidades dos textos.

  1. Praça do Campo
  2. Praça do Paraíso (Imaculada)
  3. Rua da Moeda Velha
  4. Mosteiro de São Martinho Pinário
  5. Rua da Rainha
  6. Porta Faxeira
  7. Arco de Maçarelos (vistas ao Sar)
  8. Rua do Preguntoiro
  9. Mosteiro de São Domingos de Bonaval

José Luis Rodríguez

José Luís Rodríguez. Catedrático reformado de Filologia Galega e Portuguesa
Professor da Universidade de Santiago de Compostela (USC) desde 1970, onde estudou Filologia Românica (subsecçom de Espanhol). Doutorou-se em 1976 com a tese O Trovador Joám Airas de Santiago, umha ediçom crítica e estudo da obra deste autor. Foi docente de matérias linguísticas portuguesas e literárias galego-portuguesas, percorrendo na investigaçom os caminhos da filologia medieval, da relaçom entre galego e português e das relações da Galiza com o resto dos países lusófonos. Foi discípulo do professor Ricardo Carvalho Calero, sobre o qual preparou os Estudos Dedicados a Carvalho Calero, publicados pola USC e o Parlamento da Galiza.

María Isabel Morán Cabanas

M. I. Morán Cabanas é doutora e Professora Titular de Literatura Portuguesa da USC e autora de livros e diversos estudos sobre o Cancioneiro Geral. Junto com Y. Frateschi Vieira e J. A. Souto Cabo, publicou, entre outras obras, O Amor que eu levei de Santiago. Roteiro da lírica medieval em Santiago de Compostela (2012) e O caminho poético de Santiago (2015). Precisamente como resultado dessas investigações e de uma série de atividades de tipo didático e/ou turístico, nasceu o projeto O Roteiro Virtual da Lírica Galego-Portuguesa (em breve disponível para o público).

Em coautoria com J. E. Franco tem publicado, também entre outras, É perigoso sintetizar a Idade Média. Interfaces europeias na obra de Mário Martins (2015). E, recentemente, saiu do prelo em São Paulo (2016) a sua edição, com estudo introdutório e linhas de leitura em coautoria com U. Infante, d´O Meu Portugal. Crônicas de um desterro, de Guilherme de Almeida, um interessante roteiro ao longo da geografia natural e humana de Lisboa à Galiza de 1933.